Get Adobe Flash player

Observe Mais

Apoio

Quem nos Observa

Visitantes online

Temos 11 visitantes e Nenhum membro online

Fonte: Revista Galileu

5,25 trilhões de pedaços de plástico flutuam pelos oceanos, diz pesquisa

Segundo estudo, mais de cinco trilhões de pedaços de plástico flutuam nos oceanos do planeta. A somatória desses materiais atinge o impressionante número de 270 mil toneladas. O trabalho foi publicado no jornal PLOS ONE e realizado por cientistas dos Estados Unidos, França, Chile, Austrália e Nova Zelândia.

Os pesquisadores revelaram que existem, pelo menos, 5,25 trilhões de pedaços de plástico no oceano – em suma maioria, medindo menos de 5mm. Seu volume foi obtido a partir de dados de 24 expedições entre 2007 e 2013. A maior parte do material era derivada de embalagens de comida, bebidas e roupas.

Alguns problemas podem ser gerados a partir dos plásticos em alto mar: pedaços maiores podem estrangular animais (como focas e leões marinhos); enquanto os plásticos menores podem ser ingeridos por peixes – que se tornam alimentos para outros animais da cadeia alimentar, inclusive os seres humanos.

Além de atrair poluentes quando está no ambiente marinho, o plástico pode causar problemas devido a grande quantidade de produtos químicos contidos em sua composição.

Para a bióloga marinha Chelsea M. Rochman, que esteve no trabalho, “plásticos são como um coquetel de contaminantes boiando no habitat natural marinho”.

Já Andrés Cózar, um dos pesquisadores, comentou: “É evidente que há muito plástico no oceano. O modelo atual de materiais plásticos é ecologicamente insustentável”.

Em uma digna tentativa de suavizar o problema, os pesquisadores coletaram os pequenos pedaços de plástico em redes, já que os grandes objetos não eram suportados pelos barcos dos cientistas.

Segundo Dr. Wallace, que liderou a pesquisa ao lado do Dr. Erikssen, medidas devem ser tomadas: “A não ser que a corrente do mar seja parada – e assim possamos retirar todos os detritos lançados ao mar – não conseguiremos resolver esse problema”.